Resenha A Soma de Todos os Beijos




A Soma de Todos os Beijos
Quarteto Smythe-Smith # 3
Julia Quinn
Arqueiro, 2017
Sinopse: Lorde Hugh Prentice é um gênio da matemática e teve sua perna (e sua vida) arruinada por causa de um duelo com seu amigo, Daniel Smythe-Smith.
Nesse livro, conheceremos um pouco da história de Hugh, antes e depois do acontecido. Sua família, o desespero de seu pai para conseguir que um de seus filhos lhe desse um herdeiro, visto que um não é chegado à mulheres e o outro, provavelmente terá dificuldades em encontrar uma esposa, e principalmente em ter filhos.
E, claro, sua relação de amor e ódio com Sarah Pleinsworth, prima mais velha de Daniel, que mesmo antes de conhecê-lo, já odiava Hugh por ter arruinado sua família através desse duelo.
Mas, as coisas começam a mudar quando Honoria, sua prima, pede para Hugh substituir seu padrinho no casamento e para Sarah ser sua acompanhante durante sua estadia, para que ele ficasse mais confortável diante dos familiares de Daniel. E esse tempo se prolonga, já que Daniel se casará duas semanas depois da irmã e resolve torná-los uma única festa...
É claro que eles não se dão no início, mas com o tempo, ainda mais depois do primeiro casamento, quando ela fica impossibilitada de andar, eles deixam as diferenças de lado e começam a se conhecer realmente, e, o que era ódio, acaba se tornando uma paixão avassaladora.
Mas as limitações de Hugh vão ser apenas um dos problemas que o casal enfrentará pelo caminho...

Eu me vi encantada pela história de Hugh muito antes dele ter a sua própria história, em “Uma noite como esta” ele é um ponto fundamental para que Daniel Smythe-Smith pudesse regressar e encontrar a redenção do lado da bela Anne, uma boa ação tem que ser paga com uma outra boa ação, então nada mais justo que Hugh pudesse encontrar a sua felicidade.


“Nunca voltaria a cavalgar, subir em árvores ou andar a passos largos por um salão impressionando uma dama. Havia mil coisas que nunca voltaria a fazer, e, quando achava que seria um homem quem o lembraria disso – um capaz de dançar, boxear e fazer todas aquelas malditas coisas masculinas-, era ela, lady Sarah Pleinsworth, com seus belos olhos, pés ágeis e todos os sorrisos que dera aos seus parceiros de dança naquela manhã quem o fizera. Não gostava dela. Realmente não gostava, mas, por Deus, teria vendido uma parte de sua alma naquele instante para dançar com ela.” p. 98


Três anos antes, sua vida mudou completamente, em um momento de embriaguez e insensatez ele perdeu não só um jogo de cartas, mas também um amigo e  mais do que isso perdeu boa parte de sua vitalidade e mobilidade, pois em um fatídico duelo ele acabou acertado na perna, lesionando-a gravemente. De lá pra cá Hugh encontrou muitas limitações em seu caminho, limitações físicas e mentais, lidou com dores e fantasmas e parece finalmente ter encontrado o equilíbrio que necessitava: ele conseguiu retomar a amizade com Daniel, conseguiu driblar a sede de vingança do pai e parece finalmente ter aprendido a conviver com sua situação, mas ele nunca podia imaginar que a recente convivência com Daniel faria com que ele tivesse que conviver com a prima dele, lady Sarah.

Ácida, mordaz e incrivelmente sincera Sarah é de longe uma bela definição para a família Smythe-Smith, ela nunca perdoou Hugh pelo duelo que acarretou no exílio do primo e no desconforto da família, como ela frisa foram 14 bons partidos na temporada de 1821, 14 partidos perdidos, 14 oportunidades perdidas de fugir do quarteto Smythe-Smith.

Apesar da carapaça durona Sarah no fundo quer seu final feliz, ela idealiza o casamento, os relacionamentos, preza pela família apesar de viver discutindo com as irmãs e primas, por isso, muito me identifiquei com ela e pelas farpas trocadas com Hugh eu realmente idealizava-os como casal. 

Ambos não se suportam, mas por duas semanas tem que conviver na mais perfeita harmonia em prol da felicidade alheia e talvez seja justamente nesse acordo velado que eles percebam o quão parecidos são.


“Algo parecido com admiração começou a vibrar dentro dela. Lorde Hugh continuava rude e irritante, e ela não gostava da companhia dele, mas pela primeira vez desde aquele fatídico duelo, três anos e meio antes, Sarah percebeu que o admirava. Ele era forte [...] Tinha que ser, para se recuperar daquela lesão.” p. 105


Esse foi o romance que mais gostei do quarteto até agora, não só por ter me apaixonado de cara por lorde Hugh ou por ter me identificado tanto com o jeito de Sarah, mas eu achei esse terceiro livro mais divertido por assim dizer, o clã de meninas Pleinsworth é barulhento, divertido, falante e são extremamente alcoviteiras e nem preciso dizer que amei isso.

Todo o drama fica por conta do pai de Hugh, um homenzinho realmente desprezível que promete colocar a felicidade do casal em risco, o que venceria: vingança ou amor?

Julia mais uma vez foi magistral, ela sabe encantar pelas palavras e criou cenas tão lindas e vividas que são tão claras que chegam a parecer reais. Cada discussão, beijo ou interação entre os personagens se tornou única e especial para a composição do enredo central. Foi um prazer reencontrar personagens queridos, mais uma família encantadora e avassaladora! Embarcarei na leitura do último livro e tenho certeza de duas coisas: vai ser difícil um casal desbancar Sarah e Hugh e em segundo, não to pronta pro fim da série!

5 comentários:

  1. Gostei da resenha Thaila. Estou curiosa para começar essa nova série da Julia Quinn. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  2. Oii!

    Gosto bastante de romance assim, mas acredita que dificilmente eu compro :/

    Amei a resenha.
    BEijos

    ResponderExcluir
  3. Oie Thaila =)

    Estou bem curiosa para ler esse livro, pois a Sarah e Hugh são personagens que já me cativaram nos livros anteriores. Infelizmente vai demorar um pouquinho para eu conseguir ler ele =(

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  4. Oi Thaila! Tudo bem?

    Eu amei esse livro, achei a química do casal excelente e as cenas finais ótimas. Julia Quinn sempre arrasa!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante
    Sorteio A guerra que salvou a minha vida

    ResponderExcluir
  5. Oi! Que resenha, estou ansiosa para ler essa série. O casal parece ser bem divertido e tenho certeza que vou odiar o pai de Hugh. Bjos ❤

    Click Literário

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião, ela será muito bem vinda e levada em consideração para promover melhorias!

 

felicidade em livros 2013 - 2015 * Template by Ipietoon Cute Blog Design Modificado por Fabiana Correa